Por que as startups falham? - Parte 2

Traduzido por Bruno Coutinho.

Este conteúdo é uma tradução livre de um estudo feito pela CB Insights que pode ser encontrado originalmente aqui.

Esta é a segunda parte dele, visto que dividimo-os em 4 posts diferentes. Os conteúdos seguintes estarão disponíveis nas próximas terças.

Para ver o primeiro conteúdo é só clicar aqui.

Boa leitura!

 

---------------------------

#15 - Falha na expansão geográfica

A localização era um problema em maneiras diferentes. A primeira é que deve haver congruência entre o conceito e a localização da sua startup

Como escreveu o serviço de mensagens instantâneas com reconhecimento de local, Meetro:

 “Lançamos nosso produto e contamos com todos os nossos amigos em Chicago. Em seguida, os maiores jornais da região fizeram ótimas matérias sobre nós. As coisas estavam indo muito bem ... O problema que viremos a descobrir em breve era que ter centenas de usuários ativos em Chicago não significava que você teria dois usuários ativos em Milwaukee, a menos de 160 quilômetros de distância. Eem mencionar em Nova York, ou São Francisco. O software e o conceito simplesmente não ultrapassaram suas fronteiras físicas.

A localização também desempenhou um papel na falha das equipes remotas. A chave é que, se sua equipe estiver trabalhando remotamente, certifique-se de encontrar métodos de comunicação eficazes, caso contrário, a falta de trabalho em equipe e planejamento poderá levar ao fracasso.

Como Devver escreveu,

 “A desvantagem mais significativa para uma equipe remota é o aborrecimento administrativo. É difícil gerenciar a folha de pagamento, o seguro etc. Mesmo para uma equipe pequena foi um grande aborrecimento e distração." 

#14 - Falta de paixão

Existem ótimas idéias no mundo, mas 9% dos fundadores das startups post-mortem descobriram que a falta de paixão por um assunto, assim como o desconhecimento pelo mesmo eram os principais motivos para o fracasso, por melhor que seja uma ideia.

No post-mortem do NewsTilt, a equipe falou abertamente sobre sua falta de interesse no assunto que escolheu: 

"Acho justo dizer que realmente não nos importávamos com jornalismo. Começamos construindo um produto para comentários que veio do meu desejo de ter um sistema de comentários perfeito para o meu blog. Isso se transformou no projeto do melhor sistema de comentários de todos os tempos, o que nos levou a descobrir um cliente ideal: jornais …

"Mas não estávamos realmente preocupados com o jornalismo e nem estávamos ávidos por leitores de notícias. Mas mesmo quando tínhamos o NewsTilt, não era onde íamos para absorver entretenimento, ainda era o Hacker News e o Reddit. E como poderíamos criar um produto no qual apenas estivéssemos apenas interessados ​​na perspectiva dos negócios?

A Doughbies, que levantou US$ 670.000 para um serviço de entrega de cookies sob demanda em 2013, também falhou devido à falta de interesse de seus fundadores e equipe. 

A empresa parecia estar indo bem, com margens brutas de 36% e lucro líquido de 12% no momento em que foi fechada. O problema, como afirmou o CEO Daniel Conway, era que não havia crescimento maciço ou interesse suficiente na administração do negócio: 

"No final, desligamos porque nossa equipe estava pronta para avançar para fazer outra coisa." 

#13 - Pivotar não deu certo

Pivôs como Burbn para Instagram ou ThePoint para Groupon podem ir extraordinariamente bem. Ou eles podem te direcionar para um caminho errado.

Como o post-mortem da Flowtab explica,

 "Pivotar por pivotar é inútil. Deve ser um caso calculado, onde são feitas alterações no modelo de negócio, hipóteses são testadas e resultados são medidos. Caso contrário, você não vai aprender nada."

Para David Hyman, fundador do Blin.gy, uma última tentativa de salvar sua startup do fracasso o levou a pivotar:

"O Blin.gy foi um pivô do nosso aplicativo anterior, o Chosen, que tentou gamificar o espaço da competição por desempenho... Criamos uma nova visão da infinidade de aplicativos no estilo AR que criam efeitos visuais com base na detecção e rastreamento de rostos."

No final, a nova direção não conseguiu salvar a empresa:

“[Péssima experiência do usuário] teve um grande impacto em nossas métricas de retenção. Precisávamos de 40% de retorno no primeiro dia e estávamos perto de 25%. O relógio continuava correndo ... Marcamos 18 reuniões de VC e pegamos a estrada com força. O feedback foi revelador e geralmente o mesmo: "Ótima tecnologia e visão. Mas como isso se torna uma plataforma?'... Não tínhamos uma resposta convincente."

 #12 - Desarmonia entre times / investidores

A discórdia com um co-fundador foi um problema fatal para as empresas deste post-mortem. Mas a discordia não se limita à equipe fundadora, passando também pelo investidor, o que pode azedar muito rapidamente a relação, como evidenciado no caso da ArsDigita.

Phillip Greenspun escreve: 

Por aproximadamente um ano, Peter Bloom (General Atlantic), Chip Hazard (Greylock) e Allen Shaheen (CEO) exerceram poder absoluto sobre a ArsDigita Corporation. Durante este ano eles:

  1. Gastaram US $ 20 milhões para voltar à mesma receita que eu tinha quando era CEO
  2. Recusaram a oferta da Microsoft (verão de 2000) para ser a primeira empresa de software empresarial com um produto .NET… 
  3. Descontinuaram o antigo produto com recurso completo (ACS 3.4) antes de terminar o novo produto (ACS 4.x)… 
  4. Criaram uma estrutura de custos muito mais alta; Eu tinha 80 pessoas, em sua maioria com salários-base inferiores a US $ 100.000 e estava gerando receita à taxa de US $ 20 milhões anualmente. A ArsDigita de Greylock, General Atlantic e Allen tinha quase 200, com novas posições executivas de US $ 200.000 ou mais…
  5. Renunciaram à liderança de mercado e à liderança de pensamento”

Na Pellion Technologies, o fim foi mais silencioso, pois seu principal patrocinador, Khosla Ventures, não acreditava mais na capacidade da empresa de executar: 

De acordo com ex-funcionários, que pediram anonimato, a Khosla Ventures perdeu a confiança de que a Pellion poderia ganhar dinheiro suficiente atendendo a um nicho de mercado. A tecnologia de lítio-metal funcionava para produtos como drones, mas o grande dinheiro no mundo das baterias está no setor automotivo

Os investidores não estavam dispostos a gastar o dinheiro necessário para desenvolver a bateria para veículos elétricos ". Em março de 2019, Khosla decidiu que a empresa fecharia e removeu o nome da Pellion de seu portfólio de empresas on-line.

#11 -  Perda de foco

Desviar-se em projetos que distraem, problemas pessoais e / ou perda geral de foco foi mencionado em 13% das histórias como contribuinte para o fracasso. 

Como MyFavorites escreveu no final de sua experiência em startup:

Finalmente, quando voltamos do SXSW, todos começamos a perder o interesse, a equipe estava se perguntando para onde isso acabaria indo, e eu queria saber se eu queria criar uma startup, ter investidores, ter a responsabilidade dos funcionários e responder a um conselho de investidores". 

Da mesma forma, o post-mortem para a startup de comércio eletrônico DoneByNone, cita a falta de foco e seu efeito no cliente é considerado o motivo da morte da empresa:

"Aqui está a longa história: somos uma pequena start-up e, como você pode imaginar, a vida tem sido bastante difícil para pequenos varejistas de comércio eletrônico - e fomos para o inferno e esperamos estar voltando de lá. Enquanto estávamos nos concentrando em outras coisas que precisavam ser resolvidas, tiramos os olhos de você e de seus problemas.”

Continua...

 

-----------------------------------------------// ----------------------------------------------- 

Estes foram mais 5 motivos do porquê as startups falham. Para ter acesso aos próximos motivos, aguarde até a próxima semana. Porém, para ter uma educação completa de como se tornar um Product Manager e evitar falhas como estas descritas neste texto, conheça o curso de Produto da PM3.

Com 17 instrutores de empresas de tecnologias que mais inovam no mercado, o conteúdo totalmente online com mais de 40 horas vai te ajudar a se tornar um(a) Product Manager mais preparado(a) para momentos difíceis como descritos neste texto.

Conheça o curso que é referência no mercado de produto no país.

Curso online de Product Discovery em pré-venda! 

Estude com a gente no nosso novo curso online de Product Discovery. Uma oportunidade incrível de aprender como fazer um bom Product Discovery, aprendendo com profissionais de empresas como Nubank, PicPay, Booking.com, Tapps Games entre outras. São mais de 20 horas de conteúdo em vídeo-aulas, artigos cuidadosamente selecionados e instrutores altamente qualificados. Confira a ementa do curso!

E aproveite, pois as gravações já começaram e adquirindo o curso em pré-venda você tem a oportunidade de assistir ao vivo e em primeira mão e ainda fazer networking com instrutores e outros alunos do curso. 

 

Mais conteúdos para te ajudar a ser um(a) PM melhor:
Ver todos os conteúdos do blog

Torne-se um PM completo(a)!

Faça como nossos mais de 2.000 alunos, estude no curso que é referência na educação em Product Management no país e eleve a barra em produto!

Close