Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
30 de novembro de 2020

Análise: A razão pelo qual o Instagram mudou seu design

E, de repente, o Instagram começa a ficar lotado de funcionalidades

  • Newsfeed
  • Stories
  • Reels
  • DMs
  • Chat em grupo
  • IGTV
  • Shopping

Sempre que um concorrente surge com um novo formato que funciona, o Instagram adiciona algo similar (para não dizer copiado) na sua interface. O grande risco é ficar sem graça ou difícil de usar. O Facebook é um exemplo disso, pois possui todas as funcionalidades imagináveis, mas o número de usuários ativos está cada vez menor.

Porém, a última atualização do Instagram claramente tem a ver com mais uma atitude defensiva (dessa vez contra o TikTok. Lembra como fizeram contra o Snapchat?) e com um posicionamento mais forte em relação ao seu novo modelo de negócio (Shopping).

Os Reels agora estão numa zona super acessível de clique, e os links de compras, que já estavam espalhados pelo aplicativo há algum tempo, agora ganham mais destaque, ficando no centro do app:

Como não havia mais espaço para as notificações e nem para o botão de publicação no feed, eles moveram ambos para o canto superior direito:

Essa mudança pode parecer pequena, mas deixou algumas pessoas chateadas, já que a Thumbzone ficou mais complicada para as atividades que, até então, eram as principais do Instagram:

A Thumbzone mostra o quão fácil é interagir em uma tela de celular com apenas uma mão. Quanto maior a tela, mais dificil é de interagir.

Cliques errados até aprender a usar a nova interface

A equipe de Produto do Instagram com certeza sabia que as pessoas iriam se confundir no começo e, como consequência, iriam acabar interagindo com o Reels e o Shopping. Enquanto a “Curva J” acontecia, isso era uma forma de fazer um marketing para as novas funcionalidades.

Curva J

Obviamente, no início, a taxa de engajamento com o Reels e o Shopping através dos botões na parte central do app devem ter sido desastrosas. E, se duvidar, até mesmo outras funcionalidades devem ter caído em desuso. Afinal, as pessoas estavam aprendendo a usar a rede social com a nova interface.

Depois da curva de aprendizado acontecer (Curva J), é que o jogo do Instagram realmente começa. Estima-se que entre 49% e 75% das interações no celular são feitas com o polegar, sendo assim, a capacidade de alcançar funções essenciais com o polegar se torna bastante importante para qualquer aplicativo – e não é à toa que eles estão destacando o Shopping e o Reels.

Conclusão

Com esse movimento, nota-se que o Instagram está buscando reduzir o número de posts feitos pelas pessoas — em especial as que não são focadas em algum nicho, dado que o botão de publicar algo no feed está despriorizado dentro da Thumbzone.

Tudo indica que o Instagram quer deixar pessoas “não-influencers” focadas em consumir conteúdo, e não necessariamente em criá-los. Isso conecta muito com a estratégia do Shopping, pois tudo indica que o Instagram vai começar a priorizar influenciadores no seu feed e, mais que isso, priorizar influenciadores que de alguma forma influenciem em transações dentro da plataforma.

Diretamente do blog post oficial do Instagram sobre a mudança:

A aba de Shopping oferece uma maneira melhor de se conectar com marcas, criadores e descobrir os produtos que você adora.

Vamos ver como as pessoas irão se adaptar durante esses próximos meses e analisar se começar a fazer esse push para criadores/influencers irá abrir uma oportunidade para outra rede social se destacar e começar a atrair pessoas, já que o Instagram se torna mais complexo a cada ano. 

PS: Neste outro post sobre Estratégia de Produto, o Marcell conta como muitas funcionalidades podem prejudicar o produto como um todo e, no final das contas, machucar o negócio. Recomendamos como leitura de follow-up, caso você tenha chegado até o final desse artigo.

Quer se comunicar de maneira simples e eficiente?

Que tal trazer mais transparência para as iniciativas que vão impactar a vida dos seus clientes? Recomendo baixar o nosso exclusivo framework de Go to Market. Com ele, você vai elevar o nível de como se comunica com os times internos e assim gerar impacto real no negócio.

Em cima de exemplos reais utilizadas em empresas como OLX Group europa, Loft, VTEX, Grupo Zap e muitas outras, você vai aplicar as melhores práticas utilizadas com profissionais de Product Marketing que estão fazendo acontecer no mercado!

Mais conteúdos para te ajudar a ser um(a) PM melhor:

Autoria de:

PM3 Lives 25

Newsletter Mensal

E-book Entrevistas PM

Você também pode gostar de ler

No-code para times de Produto

Sem tempo? Os principais pontos: – No-code é menos sobre codar ou não, mas sobre build (feature) vs buy (SaaS). – Categorizar hacks em: front