Por que as startups falham? - Parte 3

Traduzido por Bruno Coutinho.

Este conteúdo é uma tradução de um estudo feito pela CB Insights que pode ser encontrado originalmente aqui. 

Esta é a terceira parte dele, visto que dividimo-os em 4 posts diferentes. O último conteúdo desta série será publicado na próxima semana.

Clique nos links para ler a parte 1 e a parte 2.

Boa leitura!

---------------------------

#10 - Produto mal estimado

Se você lançar um produto cedo de mais, os usuários poderão considerá-lo insuficiente, e recuperá-los poderá ser difícil se a primeira impressão sobre você for negativa;  e se você lançar seu produto tarde demais, poderá ter perdido sua janela de oportunidade no mercado. 

Como um funcionário da Calxeda disse:

 "No caso [de Calxeda], a gente foi mais rápido do que nossos clientes. Mudamos com a tecnologia que não estava realmente pronta para eles - ou seja, com 32 bits quando eles queriam 64 bits. Mudamos quando o ambiente do sistema operacional ainda estava sendo desenvolvido - [fabricante do Ubuntu Linux] A Canonical está bem, mas onde está a Red Hat? Nós estávamos antecipados demais. 

A plataforma VR Vreal pretendia criar um espaço de realidade virtual para os streamers de videogame conectarem-se com seus espectadores e levantou quase US $ 12M em sua Série A, em 2018. No entanto, os recursos disponíveis de hardware e largura de banda não evoluíram tão rápido quanto a empresa esperava, e apesar de cumprir sua promessa, a Vreal se esforçou para atrair qualquer uso significativo:

Infelizmente, o mercado de RV nunca se desenvolveu tão rapidamente quanto esperávamos, e estávamos definitivamente à frente do nosso tempo. Como resultado, a Vreal está encerrando as operações e nossos maravilhosos membros da equipe estão passando para outras oportunidades.

#9 - Clientes ignorados

Ignorar os usuários é legitimamente falhar. A não obtenção de feedback é a falha fatal para a maioria das startups de tecnologia. 

Por exemplo, a eCrowds, uma empresa de sistemas de gerenciamento de conteúdo da web, disse: 

Passamos muito tempo construindo [nosso produto] para nós mesmos e não obtendo feedback dos clientes em potencial.

Da mesma forma, VoterTide escreveu:

"Não gastamos tempo suficiente conversando com clientes e lançamos recursos que eu achei ótimos, mas não coletamos feedback suficiente. Nós não percebemos isso até que fosse tarde demais. É fácil ser levado a pensar que a sua ideia é legal. Você precisa prestar atenção nos seus clientes e se adaptar às necessidades deles.

 

#8 - Marketing negligenciado

Conhecer seu público-alvo e saber como chamar sua atenção e convertê-lo em leads e, finalmente, em clientes é uma das habilidades mais importantes de um negócio de sucesso. Mas a incapacidade de comercializar era um fracasso comum, especialmente entre os fundadores que gostavam de codificar ou criar produtos, mas que não gostavam da ideia de promover o produto. 

Como Overto escreveu:

A linha tênue entre a vida e a morte do serviço de internet é um número de usuários. Durante o período inicial, os números estavam crescendo sistematicamente. Então atingimos o limite do que poderíamos alcançar sem esforço. Era hora de fazer marketing. Infelizmente, nenhum de nós era habilidoso nessa área. Pior ainda, ninguém teve tempo suficiente para preencher esta lacuna na empresa. Teria sido bem diferente se tivéssemos alguém olhando pro marketing.

 

#7 - Produto sem um modelo de negócio

 

A maioria dos fundadores fracassados ​​concorda que um modelo de negócios é importante - permanecer casado com um único canal ou não encontrar maneiras de ganhar dinheiro em escala, deixa os investidores hesitantes e os fundadores incapazes de capitalizar qualquer tração obtida. 

Como escreveu Tutorspree: 

"Embora a gente tenha feito muito com a Tutorspree, não conseguimos criar um negócio escalável. A Tutorspree não foi dimensionada porque dependíamos de um único canal e esse canal mudou radicalmente e repentinamente sobre nós. O SEO foi incorporado ao nosso modelo desde o início e tornou-se cada vez mais importante para os negócios à medida que crescemos e evoluímos. Nos primeiros dias e durante o Y Combinator, não tínhamos dinheiro para gastar em aquisição. O SEO era gratuito, então nos concentramos nele e ficamos bons nisso.” 

No Aria Insights, o conceito de equipar drones com sensores para coletar dados de ambientes extremos parecia promissor. Mas, embora a empresa tenha decolado e encontrado alguns investidores de alto nível - incluindo a Bessemer Venture Partners -, em última análise, não conseguiu encontrar um uso atraente para esses dados e, portanto, não conseguiu monetizar adequadamente seu modelo de negócios:

“A CyPhy Works foi renomeada como Aria Insights em janeiro de 2019 para se concentrar mais no uso de inteligência artificial e aprendizado de máquina para ajudar a analisar os dados coletados pelos drones. "Vários de nossos parceiros estavam coletando e alojando grandes quantidades de informações com nossos drones, mas não havia serviço no setor para transformar esses dados de maneira rápida e eficiente em insights acionáveis", disse Lance Vanden Brook, ex-CyPhy e atual CEO da Aria na a hora da mudança de marca.”

#6 - Produto não amigável ao usuário

 

As coisas ruins acontecem quando você ignora o que os usuários querem e precisam, consciente ou acidentalmente. 

Aqui está o que os GameLayers escreveram na interface do usuário do produto,

“No fim das contas, acredito que o PMOG não tinha muita compulsão por jogos básicos para gerar entusiasta adoção em massa. O conceito de "deixar um rastro de anotações lúdicas na web" era muito obscuro para a maioria das pessoas. Olhando para trás, acredito que precisávamos limpar os conveses, engolir nosso orgulho e tornar algo mais fácil de nos divertir, nos primeiros momentos de interação.”

Continua...

-----------------------------------------------// ----------------------------------------------- 

Estes foram mais 5 motivos do porquê as startups falham. Para ter acesso aos últimos motivos, clique no link abaixo. Mas para ter uma educação completa de como se tornar um Product Manager e eventualmente evitar falham como estas descritas neste texto, conheça o curso de Produto da PM3.

Com 17 instrutores de empresas de tecnologias que mais inovam no mercado, o conteúdo totalmente online com mais de 40 horas vai te ajudar a se tornar um(a) Product Manager mais preparado(a) para momentos difíceis como descritos neste texto.

Conheça o curso que é referência no mercado de produto no país.

 

Curso online de Product Discovery em pré-venda! 

Estude com a gente no nosso novo curso online de Product Discovery. Uma oportunidade incrível de aprender como fazer um bom Product Discovery, aprendendo com profissionais de empresas como Nubank, PicPay, Booking.com, Tapps Games entre outras. São mais de 20 horas de conteúdo em vídeo-aulas, artigos cuidadosamente selecionados e instrutores altamente qualificados. Confira a ementa do curso!

E aproveite, pois as gravações já começaram e adquirindo o curso em pré-venda você tem a oportunidade de assistir ao vivo e em primeira mão e ainda fazer networking com instrutores e outros alunos do curso. 

 

Mais conteúdos para te ajudar a ser um(a) PM melhor:
Ver todos os conteúdos do blog

Torne-se um PM completo(a)!

Faça como nossos mais de 2.000 alunos, estude no curso que é referência na educação em Product Management no país e eleve a barra em produto!

Close