Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
10 de março de 2021

Product Operations: Por que agora?

No artigo “Product Operations: Um papel fundamental em empresas product-led growth“, falei sobre o contexto em que as operações de produto surgiram e o que são Product Operations, citando exemplos desses times em grandes empresas como Google, Facebook, Uber e LinkedIn.

Mencionei também o crescimento de profissionais nessa área, conforme relatado no e-book The Rise of Product Ops produzido pelo Pendo em parceria com Product Collective que, de acordo com o LinkedIn, existem quase 5.700 usuários do LinkedIn com um título de Product Operations (+8% YoY) e, ainda, houve um aumento de 80% de usuários do LinkedIn com skill de Product Operations de 2018 para 2019.

Mas ainda fica a questão: Por que falar sobre Product Operations agora?

Ter um time de operações dentro da área, como por exemplo DevOps, Sales Ops e Marketing Ops, não é algo tão novo e está cada vez mais comum. E, da mesma maneira que um dia necessitou de pessoas focadas em operações para essas áreas, agora é a vez do time de Produto.

De acordo com Christine Itwaru em seu artigo “Product Operations: Why Now?” para Product Craft by Pendo, há três principais motivos para esse crescimento acelerado de Product Ops:

  • Dados: Os times de Produto têm acesso a mais e mais dados de diferentes lugares. E isso requer organização, armazenamento, análise e gerenciamento desses dados. Além de assegurar que o Product Manager (PM) tenha acesso aos dados corretos de forma organizada, o Product Operations Manager (POM) analisa e transforma-os em insights, contribuindo nas decisões data-driven tomadas pelo PM.
  • Crescimento de empresas product-led: Como dito por Casey Paxton (2021), em organizações product-led, o produto é o ponto focal para cada estágio da jornada do cliente e as operações de produto são essenciais para melhorar essa experiência, pois elas são as responsáveis por facilitar a iteração e otimização do produto por meio da experimentação e da análise de dados.
  • Crescimento de tarefas operacionais concorrendo com a criação e gestão do produto em si: Além da crescente disponibilização dos dados, novas ferramentas vêm surgindo no mercado e desenhar novos processos passa a ser inevitável. E, com isso, intensificou a necessidade de ter uma equipe (ou pessoa) responsável pela gestão de todas as ferramentas utilizadas por produto – desde a comparação de ferramentas, testes, análises, contato com o fornecedor, alinhamento com financeiro, implementação, definição de melhores práticas, treinamentos até a melhoria contínua – simplificação dos processos da área e gerenciamento de dados (mencionado anteriormente), tornando a equipe de produto mais eficiente, conforme objetivo de funções de operações.

Vale ressaltar que foram utilizadas somente referências do exterior para a construção desta análise, embora essa discussão já tenha começado em algumas empresas no Brasil, o que nos faz crer que essa área ainda será muito difundida no país.

Quer saber mais sobre Product Operations? Fique ligado aqui no Blog da PM3 que vem mais coisa por aí! 🙂

Key Takeaways:

  • Há três principais motivos para esse crescimento acelerado de Product Ops: Dados, Crescimento de organizações product-led e Crescimento de tarefas operacionais concorrendo com a criação e gestão do produto em si.
  • O suporte de Product Operations nas equipes de produto, além de torná-las mais eficientes, garante que a organização esteja equipada para escalar e crescer de forma consistente e com baixo atrito.
  • Essa análise foi construída com base em referências do exterior, embora essa discussão já tenha começado no Brasil, o que nos faz pensar que as operações de produto ainda serão muito difundidas no país.

Conteúdo originalmente publicado no LinkedIn (clique para conferir as referências).


Quer saber mais sobre a gestão de produtos digitais?

Se quer entrar na área de produto e se tornar um Product Manager preparado(a) para enfrentar o mercado, baixe a ementa do curso referência em produto no país e aprenda com 17 instrutores de empresas como OLX, Nubank, Booking.com, iFood, Creditas, Grupo ZAP, entre outras grandes tech companies brasileiras. 

Mais conteúdos para te ajudar a ser um(a) PM melhor:

Autoria de:

PM3 Lives 25

Newsletter Mensal

E-book Entrevistas PM

Você também pode gostar de ler

No-code para times de Produto

Sem tempo? Os principais pontos: – No-code é menos sobre codar ou não, mas sobre build (feature) vs buy (SaaS). – Categorizar hacks em: front