Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
20 de agosto de 2018

Gestão de produtos: a área que está brilhando os olhos do mercado

Profissionais focados na gestão de produtos estão em falta no mercado, e para os interessados em Product Management, a oportunidade é agora!

A posição estratégica trabalha diretamente com a definição de mercado, público-alvo, proposta de valor e outros pontos cruciais para uma empresa despontar dentro da sua área de interesse.

Para dar o primeiro passo é necessário buscar por seus principais fundamentos.

A vantagem competitiva da Gestão de produtos

Marcell Almeida e Natalia Arsand Gestores de produtos

O profissional desta área é responsável por garantir o sucesso de um produto, mas também por fazer a conexão dos objetivos (visão) da empresa com os problemas e necessidades do cliente.

Vejamos o Facebook, por exemplo, ao dar os seus primeiros passos, a rede social se posicionou como uma plataforma gratuita, mas se pensarmos bem, alguém precisa pagar as contas no final do dia. Foi a partir daí que surgiu um segundo cliente, os anunciantes, que até hoje são a principal renda da empresa de Mark Zuckerberg.

Como boas soluções não aparecem do nada, a gestão de produto é uma junção de habilidades que se complementam. A área de engenharia arquiteta o que é possível fazer com a tecnologia; já o time de UX design é focado na experiência do usuário, por exemplo, como o público aceita as funcionalidades disponíveis; e a equipe de produto vê a viabilidade do que será entregue.

Marketing de produto vs. Gestão de produtos

Segundo Joaquim Torres, Global VP of Product no Gympass e instrutor do curso da PM3, há quem acredite que marketing de produto e gestão de produto são similares, mas na verdade ambos andam como pares, sendo que o escopo de trabalho para cada profissional difere de acordo com o marketing mix, ou seja, os quatro Ps.

O marketing é responsável pelo preço, praça e promoção, trabalha com os possíveis novos clientes. Já o PM centraliza seus esforços no produto, ou seja, mede pontos como a satisfação do cliente – será que ele indicaria para um conhecido, um amigo? Nos dias atuais, recomendações são um dos meios mais eficazes de garantir novos leads.

Produto x Plataforma

Outro fator importante é diferenciar o produto software de uma plataforma. Marcas como a Netflix e o Spotify são exemplos claros: ambos atuam como um software que reúne uma base de usuários em busca de um único objetivo.

Já a plataforma entrega valor de acordo com o número de pessoas que a usam, por exemplo, o Facebook, e é um tanto mais complexa. Existem três tipos de plataforma, a de troca, técnica e conteúdo.

Todas são abordadas e exemplificadas no curso para que você saia por dentro da definição de cada uma delas e como definir o seu produto.

As tomadas de decisões para gestão de produtos

Raphael Farinazzo Gestor de produtos na Xerpa

E onde o product manager entra em ação? Há uma grande diferença entre gestão de produtos e uma plataforma. No primeiro caso, o usuário possui o mesmo perfil e não há necessidade da empresa se preocupar com o valor que está sendo entregue. Ele é o mesmo para todos.

Já a plataforma é uma junção de diferentes usuários que não necessariamente estão procurando as mesmas funções, ela é palco de uma reunião de vários tipos de perfis que precisam receber os valores que estão procurando.

O gestor precisa estar atento ao relacionamento que estes usuários têm entre si, afinal, eles conversarão sobre a sua plataforma dentro dela. O intuito é que todos tenham boas experiências para contar, não importa o ponto de vista de cada um deles.

Como podemos inovar?

Mas para percorrer todo esse caminho de estratégias, é preciso olhar a fundo o produto e o seu consumidor. Não há como consolidar um projeto sem identificar em qual fase o produto está, por isso seu ciclo de vida é tão importante.

Torres analisa no último tópico do módulo as fases de inovação, crescimento, maturidade e fim de vida pontuando dicas de como agir em cada etapa. Com isso, de acordo com estas etapas, você fará determinado investimentos em preocupações, ferramentas e táticas.

É importante saber driblar os desafios de cada momento e como criar uma estratégia para inovação.

A matriz BCG (Boston Consulting Group), por exemplo, é um conceito tradicional para definir a fase de um produto. O formato propõe que de um lado esteja o market share e do outro o quanto este mercado está em crescimento. Através de uma análise, é possível verificar se o produto está em seu momento de “aposta”, “estrela”, “vaca leiteira” ou “abacaxi”. Essas categorias são aprofundadas e exemplificadas no módulo.

A Cursos PM3

Nosso curso é feito por profissionais que atuam no mercado e estão prontos para compartilhar o seu conhecimento e vivência. Os instrutores trazem experiências de empresas como a OLXiFoodCreditasBooking.comGrupo ZapAccentureNubankLoggi e Adobe.

Seja você um gestor ou alguém que está no caminho para se tornar um especialista, não deixe de conferir o nosso curso para Product Manager. Tenha um conteúdo aprofundado sobre gestão de produtos, as novidades do mercado, como se destacar, e claro, aprender o A, B, C da área. Vem com a gente?

curso referência em Product Management no Brasil

Confira já a ementa completa do curso e veja como ele se encaixa no seu momento atual de carreira. Seja você um PM que quer validar os seus conhecimento ou caso esteja migrando pra área de Product Management.

Mais conteúdos para te ajudar a ser um(a) PM melhor:

Autoria de:

PM3 Lives 25

Newsletter Mensal

E-book Entrevistas PM

Você também pode gostar de ler

No-code para times de Produto

Sem tempo? Os principais pontos: – No-code é menos sobre codar ou não, mas sobre build (feature) vs buy (SaaS). – Categorizar hacks em: front