1 de junho de 2022

UX Research: o que é e métodos para melhorar a experiência do usuário

A UX Research é uma etapa fundamental no desenvolvimento de produtos digitais. Mas você sabe como ela funciona na prática? 

Neste post, vamos explicar o que é a UX Research, qual a sua importância para o time de Produto e quais são os principais métodos de pesquisa com os usuários que podem ser aplicadas nesse processo. Aproveite a leitura! 

O que é UX Research

UX Research (User Experience Research ou Pesquisa em Experiência do Usuário) é uma abordagem totalmente centrada no usuário. Essa é uma segmentação da área de UX e tem o objetivo de se aprofundar no comportamento dos usuários, em suas preferências, necessidades, desejos, dores e na forma como eles consomem e utilizam os produtos digitais ou serviços.

Dentro de um time de Produto, os profissionais de UX Research ajudam a identificar a necessidade de mudanças de estratégia de produto ou de funcionalidades, a partir de pesquisas qualitativas e quantitativas para entender o mercado e avaliar a experiência dos usuários com o produto. 

O UX Research utiliza muitos princípios do Design Thinking, uma metodologia que ajuda a organizar informações e elaborar, testar e validar hipóteses para encontrar as melhores soluções para o cliente. 

A pesquisa em UX é fundamental para tornar a jornada do usuário mais fluída, entregar mais valor para os clientes e despertar emoções nos usuários para otimizar a experiência que eles têm com a solução, consequentemente, aumentando o sucesso do produto.

Com o UX Research, o time de Produto tem mais confiança para direcionar o desenvolvimento do produto, uma vez que a pesquisa permite identificar as dores mais urgentes dos usuários, facilitando a priorização das tarefas. 

Importância de UX Research para Produto

Em UX Research, a ideia é que os dados obtidos por meio de entrevistas e outras metodologias de pesquisa sejam revertidos em insights para que o time de Produto possa elaborar e testar hipóteses, com o objetivo de melhorar a experiência dos usuários

E é essa experiência que impacta a visão das pessoas sobre o seu produto e a sua empresa, o que se reflete na recomendação, na aquisição e retenção de clientes e na receita. Uma experiência ruim pode fazer com que os clientes cancelem a conta e falem mal do produto nas redes sociais, influenciando a percepção de outras pessoas. 

Por isso, investir em UX Research pode prevenir o negócio de passar por essas situações, ajudando a manter a reputação da marca no mercado e um crescimento sustentável ao longo dos anos

Além disso, a pesquisa é importante para basear as decisões do time de Produto em dados sobre a realidade do negócio, do mercado e dos usuários. A partir disso, é possível criar uma atmosfera de melhoria constante e uma equipe data-driven (orientada por dados). 

As informações coletadas também ajudam a identificar tendências de mercado ou de comportamento dos usuários e ter mais previsibilidade nos projetos desenvolvidos pelo time. 

O que fazem UX Researchers

As pessoas UX Researchers (também conhecidas como Pesquisadoras de UX, Analistas de Experiência do Usuário, User Experience Researchers e Pesquisadoras da Experiência do Usuários) tem uma série de responsabilidades, como:

  • Entrevistar e rodar pesquisas com os usuários;
  • Estabelecer rotinas e roteiros de pesquisa com os usuários;
  • Fazer validação com usuários;
  • Comunicação com stakeholders e gerenciamento das partes interessadas;
  • Apresentação de resultados para o time de Produto;
  • Realizar testes de usabilidade;
  • Analisar os dados coletados por meio das pesquisas;
  • Participar do processo de pesquisa e elaboração de personas;
  • Trabalhar ao lado de Product Designers e Product Managers em busca das melhores soluções para os clientes;
  • Participar do processo de Discovery (descoberta) para entender os problemas dos usuários;
  • Buscar e analisar pesquisas de mercado para trazer insights para a equipe;
  • Participar do processo de elaboração, validação e testes de hipóteses junto ao time de Produto.

Salário para UX Researcher

Segundo uma matéria do InfoMoney, a área de UX está em pleno crescimento no Brasil e as perspectivas salariais são animadoras. De acordo com o site Glassdoor.com, o salário médio de uma pessoa UX Researcher no Brasil é de R$ 6.363.

salário-ux-researcher

Considerando o nível de experiência, a média salarial para esses profissionais é de:

  • R$ 4.013 para UX Researcher Júnior; 
  • R$ 7.500 para UX Researcher Pleno: 
  • R$ 10.713 para UX Researcher Sênior: 
  • R$ 15.000 para Gerente de UX Research 

Principais habilidades para UX Researchers

Mas quais as habilidades que UX Researchers devem ter? Algumas soft skills (habilidades comportamentais) mais importantes para a área são: curiosidade, colaboração, empatia para se colocar no lugar do usuário e flexibilidade para se adaptar a diferentes contextos e lidar com diferentes perfis de clientes. 

Já pensando nas hard skills (habilidades técnicas), é importante saber sobre os diferentes tipos de pesquisa em UX. Confira algumas dessas metodologias no próximo tópico!

Tipos de pesquisa com usuários e métodos 

As pesquisas com usuários se dividem em dois tipos: quantitativas e qualitativas. E elas exigem duas atitudes distintas por parte de UX Researchers: ouvir o que os usuários têm a dizer e observar como eles se comportam utilizando o seu produto. 

O processo de pesquisa costuma acontecer em 4 passos, de acordo com a abordagem proposta pelo The Nielsen Norman Group (uma grande referência quando o assunto é UX Design) e cada um deles conta com ferramentas e métodos de pesquisa específicos:

1. Descobrir

Este é o momento de entender os usuários e quais problemas precisam ser resolvidos para otimizar a experiência e a jornada com o produto. Nesta etapa, é recomendado fazer pesquisas de mercado, entrevistar os usuários, fazer pesquisas de campo e conversar com stakeholders experientes. 

Ferramentas e frameworks recomendados:

  • Mapa de empatia: é uma ferramenta visual que permite identificar quais emoções o usuário experimenta e quais pensamentos têm em cada etapa da jornada ou interação com o seu produto. Esse mapeamento traz insights sobre as necessidades dos usuários, os problemas que eles enfrentam e as barreiras que encontram ao utilizar o produto. 
  • Jobs-to-be-done (JTBD): JTBD é um framework para ter clareza sobre as tarefas que o usuário precisa realizar ou os problemas que ele têm que resolver e que motivam esse usuário a testar ou comprar o seu produto. A ideia é que, a partir desse entendimento, o time de Produto consiga desenvolver soluções mais acertadas para que o usuário consiga resolver as dores que tem.  

2. Explorar

Nesta etapa, os UX Researchers se aprofundam no problema a ser resolvido para levantar hipóteses sobre a melhor solução. 

Ferramentas e frameworks recomendados:

  • Mapeamento da jornada do cliente: para identificar lacunas e oportunidades de melhoria na jornada do usuário, avaliando todos os pontos de contato que a pessoa tem com o produto. 
  • Metodologia Card Sorting: o Card Sorting envolve os usuários no processo de organização das informações ou elementos do produto (apresentados em forma de cards aos participantes), para criar soluções intuitivas e que estejam de acordo com as preferências de navegação dos clientes. 
  • Entendimento e revisão do público-alvo: a persona é uma representação do cliente, com base no perfil real dos seu usuários, que leva em conta suas dores, hábitos e outros dados demográficos e comportamentais. Aqui, é possível validar a persona ou modificar algumas informações, com base na pesquisa realizada. 
  • Análise de mercado: para coletar mais informações que possam sustentar ou eliminar hipóteses. 

3. Testar 

Este é o momento de testar as hipóteses definidas na etapa anterior e entender o que ainda precisa ser melhorado para resolver o problema do usuário. 

Ferramentas e frameworks recomendados:

  • Testes de usabilidade: os testes podem ser moderados (com a presença das pessoas UX Researchers) ou não moderados (sem a mediação desses profissionais) e são aplicados para entender se o produto ou funcionalidade é intuitivo, acessível e fácil de usar. 
  • Testes A/B: que envolvem oferecer duas opções para dois grupos diferentes de usuários e avaliar qual delas têm uma performance superior. 

4. Ouvir

Este é o momento de ouvir os feedbacks dos usuários sobre a solução proposta. 

Ferramentas e frameworks recomendados:

  • Pesquisas e questionários online: para entender qual a visão que os usuários têm a respeito do seu produto. Você pode, por exemplo, criar perguntas dentro do próprio produto quando o usuário utiliza uma funcionalidade específica, para avaliar a performance dessa feature. Entrevistar os usuários e criar grupos de discussão que envolvam os clientes também são outras possibilidades.
  • Plataformas de análise de dados: as ferramentas de Product Analytics trazem informações sobre a utilização do seu produto pelos usuários. Com isso, é possível entender se as pessoas estão utilizando a sua solução da forma que o time planejou. 
  • Análises de usabilidade: para identificar falhas na experiência e bugs no produto.

Curtiu o artigo? Confira também outros conteúdos gratuitos:

Autoria de:

Você também pode gostar de ler